Transtorno de ansiedade

Efeitos do calor
9 de janeiro de 2018

Aflição, angústia, perturbação do espírito por causa de incerteza, relação com qualquer contexto de perigo, significados que podem se atribuir a ansiedade, ela estimula todo e qualquer individuo a entrar em ação, porém, em excesso, faz exatamente o contrario, impedindo diversas reações.

De acordo com o médico Psiquiatra, Dr. Gustavo Quirino, o sentimento de ansiedade é comum em todas as pessoas. Desafios como as pressões no local de trabalho, falar em público, horários altamente exigentes ou mesmo uma avaliação médica podem ocasionar sentimentos de preocupação ou medo. Ele explica que quando esses sentimentos de preocupação excessiva, medo e angustia se tornam contínuos e prolongados e acaba prejudicado a qualidade de vida do individuo, eles caracterizam os transtornos de ansiedade. São eles: Transtorno de ansiedade generalizada, Transtorno de pânico, Transtorno de ansiedade social, Transtorno de estresse pós-traumático e as fobias especificas.

Os transtornos de ansiedade são provocados por múltiplos fatores. Sabe-se que o estresse diário é o principal “vilão”, porém não é a única causa.  Causas genéticas são importantes, é muito comum encontrar inúmeros casos dessas doenças na mesma família. O estudo da genética será muito importante no futuro da psiquiatria.

O tratamento psiquiátrico é baseado principalmente na teoria monoaminérgica, onde a falta de serotonina e noradrenalina que diminuem com o estresse contínuo, provocam os sintomas principais dos quadros ansiosos.

Atualmente, os transtornos de ansiedade são as doenças psiquiátricas mais comuns no mundo. Mais de 15% da população apresentará algum transtorno de ansiedade ao longo da vida, que necessitará de tratamento. A doença pode afetar pessoas de todas as idades, desde o nascimento até a terceira idade. Em geral, as mulheres são um pouco mais vulneráveis do que os homens.

O Dr. Gustavo, explica que existem diversos sintomas, e cada transtorno de ansiedade apresenta sintomas específicos e comuns que variam de intensidade e frequência de pessoa para pessoa. Os sintomas mais comuns são: preocupação intensa, irritabilidade, tensão muscular, déficit de atenção, dores musculares e de cabeça contínua, sensação de inquietação, angústia, sudorese excessiva, alterações no hábito intestinal, isolamento social entre outros.

A jornalista, Rayssa Ribas Soares, de 22 anos, conta que sofre de ansiedade desde ainda muito pequena e que atualmente a ansiedade não é somente por situações possíveis, mas às vezes se pega ansiosa sem motivo. “Porém, quando há datas comemorativas, ou eventos muito aguardados isso intensifica o problema. Não faço nenhum tipo de tratamento, mas na época de vestibulares eu procurei um médico e tomei por uns tempos calmantes e florais. Mas hoje minha forma de ‘conter’ esse sentimento é comendo, principalmente doce. Tenho que estar mastigando de cinco em cinco minutos”. A jornalista tem ainda psioríse, uma doença autoimune, e diz que nota que além dos problemas comuns de muitas vezes não conseguir dormir, as vezes a ansiedade se manifesta em seu corpo, quando ela se sente muito ansiosa mais manchas se manifestam em maior quantidade.

Ainda de acordo com o psiquiatra, qualquer quadro de transtorno de ansiedade pode apresenta sintomas físicos intensos: taquicardia, dor no peito, falta de ar, tremor, náusea, tontura, medo de perder o controle ou morrer. Esses sintomas físicos intensos são conhecidos como ataques de pânico.

Caso esses sintomas se tornem frequentes e prejudiquem a qualidade de vida, é importante uma consulta psiquiátrica para diagnosticar o transtorno de ansiedade, excluir causa clínica, como problemas cardiológicos, hormonais ou neurológicos e avaliar a necessidade de tratamento psiquiátrico ou encaminhamento para psicoterapia.

O doutor adverte que, o não tratamento tornará o quadro ainda mais intenso e incapacitante, provocando grave prejuízo na vida social, ocupacional ou social da pessoa.  “Infelizmente, muitas pessoas com transtornos de ansiedade não procuram tratamento. Grande parte desconhece que seu sofrimento possui diagnóstico e tratamentos eficazes” finaliza.

Embora, cada transtorno apresente a sua particularidade, a maioria responde bem ao tratamento medicamentoso quando necessário. Geralmente o tratamento é feito por tempo limitado e com medicamentos que não causam dependência ou risco para a saúde do paciente.

 

 

 

 

Os comentários estão encerrados.